Seminário Cem Anos de Egon Schaden

Aluno de Claude Lévi-Strauss e mestre de nomes como a ex-primeira-dama Ruth Cardoso, Egon Schaden é considerado um dos pioneiros da Antropologia no Brasil por ter ajudado a criar esta cadeira na Universidade de São Paulo (USP). Discutindo questões de imigração e conflito indígena, ele foi reconhecido no meio científico brasileiro e no exterior, viajando pelo mundo como professor visitante.

A memória desse estudioso, nascido em São Bonifácio, Santa Catarina, no dia 4 de julho de 1913, estará ainda mais viva esta semana, quando a cidade sediará o Seminário Cem Anos de Egon Schaden, nos dias 25 e 26 de julho. Entre as ações planejadas, está o lançamento da comenda Egon Schaden, pela Câmara de Vereadores de São Bonifácio; mesas-redondas e conferências com antropólogos que foram alunos e colegas de Schaden. O evento é aberto ao público. Programação e inscrições: http://egonschaden.wordpress.com/.

Os conferencistas e mediadores no dia 26 (sexta-feira) são:

– Bartomeu Melià – linguista espanhol radicado no Paraguai há décadas. Especializado em etnologia guarani, a mesma especialidade científica do professor Egon Schaden.

– Carmen Sílvia Moraes Rial – antropóloga, professora da UFSC e presidente da Associação Brasileira de Antropologia/ABA. É a autoridade que representa a antropologia brasileira em seu diálogo com a antropologia mundial e com os diversos níveis de governo no Brasil.

– João Baptista Borges Pereira – antropólogo interessado nas intersecções de raça e imigração estrangeira, professor emérito da USP e presidente da Comissão Permanente de Políticas Públicas para a População Negra.

– Julio Cezar Melatti – trabalhou em pesquisas de campo com Roberto DaMatta, Roberto Cardoso de Oliveira e David Maybury-Lewis (Harvard) e estudou a organização social dos indígenas no Brasil.

– Maria Dorothea Post Darella – antropóloga do Museu de Arqueologia e Etnologia e integrante da equipe de coordenação do curso Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica, ambos da UFSC.

– Roque de Barros Laraia – professor emérito da Universidade de Brasília (UnB), o autor do livro “Cultura: um conceito antropológico”, na 21ª edição, foi presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai) e envolve-se com as questões do Conselho Nacional de Imigração e Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

– Toni Vidal Jochem – historiador dedicado ao estudo da imigração alemã na encosta da Serra Geral. Descendente de imigrantes alemães da mesma região, representa a industriosidade do imigrante alemão e a consciência da importância do conhecimento científico para o desenvolvimento e o progresso dos diferentes povos.

No evento, o público poderá conferir o lançamento do audiovisual “Egon, meu irmão”, produzido pelo Núcleo de Antropologia Visual (NAVI), da UFSC, a exibição da entrevista com Egon Schaden, efetivada na Unicamp em 1984, e a apresentação de mensagem gravada recentemente por Antônio Cândido em razão do centenário do amigo e colega de trabalho.

O evento é organizado em parceria entre a Associação Brasileira de Antropologia (ABA), Prefeitura Municipal de São Bonifácio (PMSB), Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc), Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS/Chapecó).

Espaço de memória

A largada para o centenário do antropólogo foi dada com o anúncio da assinatura do contrato para repasse de R$ 670 mil para a construção de um espaço de memória para as questões indígenas e de imigração em São Bonifácio. A verba é fruto de emenda parlamentar de Romanna Remor (PSD) na sua passagem pelo Congresso Nacional como deputada suplente.

“Visitava o antigo museu de meu bisavô (Francisco Schaden) e via o acervo se deteriorando. Quando soube que o museu – único da cidade – tinha sido fechado, tive um choque”, diz Gileno Schaden Marcelino, sobrinho de Egon Schaden, que conviveu com o antropólogo até os 14 anos em São Paulo.

O lugar está planejado para ser um Centro de Documentação, composto não somente por objetos do Museu Francisco Schaden, que hoje está em uma sala alugada pela prefeitura por falta de espaço, mas também o arquivo pessoal do filho Egon – com manuscritos, cartas, diários de campo, imagens e livros que em parte já foram trazidos de São Paulo. A ideia é abrir espaço para a comunidade doar suas correspondências, diários e fotos antigas sobre o passado de São Bonifácio.

Quem foi Egon Schaden?

Egon Schaden é o filho mais velho de Francisco Schaden, primeiro professor de São Bonifácio, imigrante alemão e pesquisador de grupos sociais. Autodidata, o pai também educou Egon em casa. Do aprendizado da astronomia com direito à observação das estrelas mais brilhantes de São Bonifácio, passando pela língua universal do esperanto, o filho parecia se interessar por tudo o que o pai ensinava. Aos 14 anos, após ter e passado três anos fora da escola ao término do ensino primário em sua terra natal, Egon Schaden recebeu uma bolsa do governo do Estado para realizar o ensino secundário no Colégio Catarinense, de onde saiu como melhor aluno e com o título de bacharel.

“A cooperação científica entre pai e filho garantiu ao autodidata Francisco Schaden um lugar na antropologia. Se por um lado o pai pode ter exercido influência na escolha temática do filho pela questão indígena, por outro lado, o filho retribuiu levando a produção científica do pai para congressos e publicações de alcance nacional”, cita Pedro Martins, doutor em Antropologia Social pela USP, professor da Udesc e coordenador acadêmico do seminário, em um de seus artigos sobre o antropólogo.

Mas a vida em São Bonifácio não foi feita apenas de boas lembranças. A cena mais marcante da adolescência de Egon pode ter sido a imagem mostrada pelo pai da fileira de indígenas mortos no chão e sem orelhas – obra de bugreiros que atuavam na região naquela época. Começava aí o interesse de pesquisa por esses grupos que o acompanhou durante toda a vida.

Em entrevista à pesquisadora da Unicamp Mariza Corrêa, em 1984, logo depois de se aposentar, Egon Schaden deixa claro seu compromisso com a educação, mais do que à criação de novas teorias. Herdeiro das atribuições do professor Emílio Willems, autor de “A aculturação dos alemães no Brasil” (1980), Egon começou sua carreira na Universidade de São Paulo (USP) em 1943 onde, em 1953, fundou a primeira publicação científica da área, a Revista de Antropologia, referência até hoje.

Informações:

Pedro Martins – (48) 9944-1448 – [email protected]

Maria Dorothea Post Darella – (48) 9914-8290 – [email protected]

 

Fonte: Notícias da UFSC | https://noticias.ufsc.br/2013/07/seminario-cem-anos-de-egon-schaden-nos-dias-25-e-26-de-julho/

When you browse through videos at YouTube, which do you usually click first: one with around 10 views or one with around 75,000 views? If you’re normal, then you’re much more likely to click on YouTube videos that have a lot of clicks already.

The logic is simple. The more views a video has, the more interesting the video must be. After all, why would a video gain so many views if it’s dull or uninteresting, right? Indeed, the bandwagon mentality works very well at YouTube – so why not use it to market your videos at YouTube?

We are pleased to be able to support the local industry by growing our team to provide analytical testing services. – Mark Johnson
When you browse through videos at YouTube, which do you usually click first: one with around 10 views or one with around 75,000 views? If you’re normal, then you’re much more likely to click on YouTube videos that have a lot of clicks already. The logic is simple.

The logic is simple. The more views a video has, the more interesting the video must be. After all, why would a video gain so many views if it’s dull or uninteresting, right? Indeed, the bandwagon mentality works very well at YouTube – so why not use it to market your videos at YouTube?